terça-feira, 23 de outubro de 2012

Sonhos Sem Nome



"Te toquei em sonhos tantas vezes
Outras, deixei-me chorar,
Sentir dor de saudade e desejo,
De vontade de abraçar.
Tantas vezes fui errante,
Num mar sem fim,
Num barco que derivava,
A mercê de mim.
Fui flor sem cheiro,
Sem cor,
Sem jardim.
Fui céu nublado,
Sem sol e sem luar,
Como viajante só estava a vaguear.
Sonhava talvez sem acreditar nos próprios sonhos,
Apenas sonhava e delirava sozinha dentro de mim.
Quantas vezes matei esses mesmos sonhos,
Me chamava de tola por sonhá-los.
Mas já começo a ver os primeiros raios de sol,
A despontar no horizonte,
Sei que nada posso esperar,
Mas dentro de mim há uma fogueira,
Querendo me queimar inteira,
Quando você chegar."

Simone Prado


3 comentários:

  1. Célia, muito bacana esse poema da nossa querida amiga Simone. Valeu!
    Beijo com carinho no seu coração
    Manoel

    ResponderExcluir
  2. Esos sueños sin nombre que queman nuestro interior, dejando cenizas al vuelo para una renovación que procure un recomienzo.
    Preciosa Poesía.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  3. Olá Manoel, também achei lindo esse poema dela, logo me chamou a atenção. Fico contente que tenha gostado também. ;)

    ResponderExcluir

Olá! Agradeço imensamente sua visita e seu comentário, são realmente muito importantes para mim. Seja sempre bem vindo! Beijinhos